terça-feira, 7 de julho de 2015

Como escrever um prólogo

O começo de tudo



O prólogo é um elemento bastante comum em livros e também em fanfics, por isso vou falar um pouco sobre ele e aproveitar para esclarecer algumas dúvidas sobre como escrever um prólogo.

Antes, vamos saber o que significa prólogo: a palavra tem origem no latim (prolugus - o que se diz antes) e significa 1) o primeiro ato de um drama em que se representam acontecimentos passados antes da ação principal; 2) testo que acontece a parte principal de uma obra literária; 3) parte inicial de um acontecimento.

O termo foi usado originalmente na tragédia grega, para caracterizar a parte anterior à entrada do coro e da orquestra, na qual se enuncia o tema da peça. Graças a essa ideia de "o que se diz antes", o termo passou a ser usado na teoria narrativa para designar o texto que precede ou apresenta uma obra.
Deste modo, podemos concluir que o prólogo sempre virá antes de qualquer elemento textual da história, por isso muitos autores também o chamam de paratexto. Vale lembrar ainda que prefácio e prelúdio são sinônimos de prólogo. O prefácio, neste caso, também tem um importante papel na relação do autor e do leitor (ou espectador) de uma obra. Sendo uma introdução a ela, se torna um elemento que apresenta não só a obra em si, mas também o olhar que tem o autor sobre ela.

O prólogo pode ou não ser uma parte da história.
Mas como assim?

Bem, o uso mais comum do prólogo é apresentar a história que se pretende contar ao leitor. Lembram-se de "A menina que roubava livros"? No prólogo, Markus Zusak coloca o leitor em contato com a inusitada narradora, mais o mais importante nesse prólogo é que ele dá ao leitor um vislumbre da obra que se segue e do estilo de escrita e narrativa do autor.

Um autor pode usar o prólogo para mostrar uma cena que acontece antes da história propriamente dita começar, e, com isso, causar curiosidade no leitor. Esse tipo de prólogo é muito comum nos livros de Dan Brown. "O Símbolo Perdido" começa exatamente assim, durante um ritual misterioso, o autor nos apresenta ao vilão da história sem, contudo, entrar em muitos detalhes.

Ele também pode mostrar uma cena adiante, uma espécie de clímax para o qual pretende levar sua história, como acontece em Crepúsculo.

Pois bem, meus caros amigos, nos exemplos acima, o prólogo é parte da história, mas nem sempre isso acontece. Há autores que preferem usar esse espaço preliminar para conversar com o leitor. Isso mesmo, uma espécie de tête-a-tête. Um escritor que gosta muito desse tipo de prólogo é o Stephen King. Em vários de seus livros ele usa o prólogo para contar ao Leitor Fiel algo relevante sobre a criação da obra em questão. Nos livros da séria "A Torre Negra", por exemplo, ele divaga tanto sobre o processo de escrita que, quando você vai começar a ler o livro propriamente dito, já se sente íntimo do autor.

Agora que nós já sabemos o que é um prólogo, para que serve e como aparece em uma história, você deve estar se perguntando, como eu escrevo um prólogo para a minha fanfic?

Em primeiro lugar, pondere sobre a relevância deste prólogo para a sua história. Será que ele é mesmo necessário? Lembre-se de que o prólogo é um elemento opcional, logo, se você quer apenas dar um ar profissional à sua fanfic, não vai ficar legal usá-lo.

Segundo, o prólogo não deve ter tratado como o primeiro capítulo da fanfic. Isso pode parecer óbvio depois de tudo que já falei até aqui, mas ainda há muita gente que se confunde e começa a história no prólogo. Isso não deve acontecer. O prólogo é um capítulo extra, deve ter começo, meio e fim determinados. Se você começar uma cena no prólogo, trate de terminá-la, nada de deixar para concluir no capítulo seguinte, com a ilusão de estar criando suspense. E nem pense em colocar a expressão "continua..." no final do seu prólogo. Prólogo não tem continuação.

Terceiro, não escreva a biografia dos seus personagens no prólogo. Você deve apresentar os seus personagens nos capítulos da história, mas também não faça isso como se estivesse respondendo o questionário socioeconômico do Enem.

Mas você disse que o prólogo pode ser usado para apresentar a história.

Sim, amigos, claro que pode, mas mire-se no exemplo do Tio Zusak. Mostre seu personagem em alguma cena que possua significado para a história, mas não necessariamente faça parte dela. Ou ainda uma cena que possa desencadear os acontecimentos que serão o foco da sua história. Por exemplo, suponha que o seu protagonista seja um detetive de polícia e a história será centrada em um dos casos que ele tem que resolver. No prólogo você pode mostrar o momento em que os bandidos estão planejando o assalto.

Quatro, não entregue tudo no prólogo. Lembre-se de que você pode dar uma prévia do que virá, mas não vá mostrar uma cena do seu protagonista morrendo logo no prólogo, muitos leitores não gostam disso.

Finalmente, não escreva um prólogo com muitas palavras. Apesar de não haver um número ideal de páginas/palavras para um prólogo, não é legal fazê-lo muito grande, pois assim você corre o risco de já entrar na história, e vai estar tratando o prólogo como um capítulo normal. Opte por um prólogo enxuto, uma cena curta, mas que seja relevante para a história.

E isso é tudo por este post, espero ter ajudado.
Até o próximo.
Beijos da Ana.