quarta-feira, 22 de abril de 2015

Dicas práticas para escrever melhor

1) Releia o que escreveu.

Isso é uma coisa básica e que todos deveriam fazer. Até por que, se você não tem paciência para reler o seu texto como quer que os outros tenham pra o que você escreveu?

2) Entenda o verbo "haver".

Quando a gente fala "há muitos anos", se usa o "há" com H e acento. Muitas pessoas acham que o "há" concorda com a quantidade de dias, anos, ou seja o que for, mas não, então o certo não é falar "haviam muitos anos" e sim "há muitos anos" ou "havia muitos anos".
E quando não se está falando de tempo e você usa o verbo haver, você também não concorda com a quantidade de coisas, por exemplo, "há um milhão de habitantes", é o contrário do verbo existir, pois ai você fala "existem um milhão de habitantes".
Não se deve por "há" com "atrás". Não se fala "há muitos anos atrás", ou é "há muitos anos" ou "muitos anos atrás", pois com os dois fica redundante.

3) Lembrar que quando se usa um verbo no infinitivo ele tem um "r" no final.

Como a gente não pronuncia esse "r", nós pegamos a mania de não escrevê-lo também, mas tem que por ele no final do verbo.
No verbo, lembrar, a pessoa escreve lembrá, só que sem o acento, a pronuncia muda e a tônica fica no "lem" de lembra. Na pronuncia não faz mal, mas na hora de escrever faz toda a diferença.

4) Mim não conjuga verbo.

Pode parecer muito óbvio para algumas pessoas, mas para outras é uma coisa difícil de se lembrar, não é simplesmente por que elas não querem entender ou por que não sabem, não tem nada a ver. É por que quando a gente á num meio onde as pessoas falam desse jeito, é muito difícil se acostumar a não falar isso. Quando se convive com pessoas que usam o "mim" em vez de "eu" você acaba escorregando nisso.
Já vi pessoas que quando você fala "não é mim é eu" ela responde "mas fica tão estranho", é só por que não está com o habito de usar o eu no lugar no mim.

5) Não separe o sujeito do predicado.

Resumindo, o sujeito é quem faz a ação
 Aprofundando na análise sintática tem mil e uma coisas, mas você não precisa se preocupar com isso, o que importa é: quem é que está fazendo? Quem é o ser ativo dessa frase? E o predicado é o que ele está fazendo, se ele está fazendo, comendo, escrevendo, andando, respirando, resumindo outra vez, é o verbo de ação.
Não se pode separar a pessoa que faz do que ela faz.

6) Mais pontos, menos vírgulas.

A dica de a vírgula ser onde você respira, mais atrapalha do que ajuda, pois se você começar a pôr vírgulas em todo o momento que respira, vai perceber que terão vírgulas onde não tem nada a ver e fica tudo sem sentido.
Quando você usar a dica número um e ver que sua frase ficou mais de duas linhas, a sua frase está longa demais e então coloque um ponto final. As vezes, colocamos vírgulas onde deveriam ser um ponto e as vezes colocamos pontos onde deveriam de ser vírgulas ou também colocamos vírgulas onde não precisava, mas nada que ao revisar o texto você não perceba.
Tente colocar duas ou três vírgulas por cada frase  e é melhor fazer várias frases curtas do que você fazer uma frase gigante cheia de vírgulas


Acabamos aqui por este post e espero ter ajudado.
Até a próxima.
Beijos da Ana.

Como escrever uma fanfic

Geralmente quando decide-se que vai escrever uma fanfic é por que já se tem uma ideia de como vai ser a história que você pretende escrever.
Vou dar algumas dicas para ajudar nesse desenvolvimento.


1) Tenha em mente aonde você quer chegar.

Então você se pergunta "o que você quer dizer com isso?", bem quando se pensa em escrever normalmente já se tem um começo e, então, você tem que ter uma ideia do fim. Se você tem o começo e o fim, se tem um objetivo e você sempre perseguirá esse objetivo, já tendo um começo, meio e fim.
O fim não precisa ser do modo que pensou no início, eu mesma já mudei vários finais de fanfics minhas, mas tem que se ter uma coisa em mente: a ideia principal tem que ser a mesma.

Tendo-se o começo e a ideia do final de sua história, tem que escolher o gênero da mesma, então seguimos para:

2) Escolher o gênero certo.

Por exemplo, usando uma de minhas fanfics como base, no começo os dois principais se conhecem em um racha e no final o banco explode e ninguém sabe o que aconteceu com eles. O que se têm? Violência, exato. Ou seja, o gênero da sua fanfic vai ter que ser violência.
Pode ter um meio romântico? Pode. O que não pode acontecer é que no início da fanfic eles se conhecem em um racha e no final o mocinho pede a mocinha em casamento com litros de choro e todas essas outras frescuras. Tem que ter um "balanceamento", no meio ele pode chorar, pedir ela em casamento e mais o que for, mas o final tem que ter o gênero que teve no começo.
Você começa com violência e se termina com violência.
No meio você pode colocar drama, romance, o que quiser, desde que a história tenha um gênero principal e siga o gênero principal.

Após já saber aonde quer chegar com a fanfic e o gênero principal, aconselho à:

3) Faça uma Outline.

O que é uma outline? Explicando de forma simples, são tópicos. Então você pega um pedaço de papel e escreve o seu primeiro tópico e o seu último tópico.
Seguindo o mesmo exemplo:
1- Se conhecem em um racha.
[...]
100- Banco explode e os dois somem.
Você pode deixar o resto em branco, para quando for tendo mais ideias acrescentar na sua outline na ordem cronológica que você deseja que as coisas aconteçam.
Com o decorrer da história, você vai tendo várias ideias e não precisa necessariamente usar todas elas, pois, se você escreve e posta em vez de escrever tudo e postar só depois, consegue perceber que seus leitores vão dando um rumo para sua história e, até mesmo, te dando novas ideias que podem ser melhores do que as que você tinha.

Assim que se tem a outline, que não precisa estar completa, você já consegue criar uma sinopse, então seguimos para:

4) Criando uma sinopse (média).

O que é uma sinopse? Bem, ela é o que vai acontecer na sua fanfic, um pequeno resumo de tudo que você pretende escrever, ou já escreveu, para o caso daqueles que deixam a sinopse para o fim.
As melhores sinopse, são as médias, onde não contém tanta informação que possa comprometer sua história caso tenha uma ideia melhor para o final, por exemplo, e se for uma sinopse grande cheia de informações, no caso seria necessário ter que mudar a sinopse também.
Então, tendo uma sinopse média, dando a ideia do que vai acontecer na história, se tem a sinopse perfeita, mas se ainda tiver dúvidas e não saber como escrever uma sinopse, eu fiz um post de como escrever sinopses.

Depois de se ter a sinopse média dá para passar para o primeiro capítulo.
No primeiro capítulo se deve colocar o que está acontecendo na vida da personagem agora, antes de ela conhecer o mocinho.

5) Crie uma personagem "real".

Então, se ela está mudando de um país para o outro tem que se fazer todo o processo normal para o caso. Não simplesmente pegar ela em um dia e falar "mãe eu quero viajar para não sei onde" e no dia seguinte ela já vai estar viajado.
Pra viajar tem que ter o que? Um passaporte, um visto, tem que ter um lugar no outro país para morar, tem que ter um meio de transporte para se chegar até lá, ou seja, tem que se fazer todo o processo normal de seres humanos dentro do primeiro capítulo.
Por quê? Pois é aqui que os leitores começam a se ver na história, não dá pra você por que um dia ela sai de um país e vai pra outro, no outro já tá apaixonada por um cara sendo que todos nós sabemos que isso não vai acontecer na vida real com os leitores, então você quer que o leitor se identifique com sua história, deve-se fazer o processo natural das coisas
Sim, isso se torna irritante e chato , isso também é algo complicado, por isso aconselho a começar o capítulo com ela já no outro país e apenas mencionando que se mudou, isso já deixa  sua história mais interessante sem precisar fazer todo o processo da mudança.
Também já escrevi um posto sobre primeiros capítulos, então, para mais detalhes sobre como escrever o primeiro capítulo é só verem lá.

6) Sempre revise seus capítulos.

Você escreve todo o capítulo e na hora que você vai postar no site, você revisa o capítulo, pois vai achar um erro, dois ou mais. Quando estamos escrevendo, a gente não percebe os erros que estamos cometendo, só quando revisamos percebemos que uma tal palavra poderia estar de outra forma, ou que repetimos uma mesma palavra muitas vezes, ou a pontuação, comemos letras ao digitar, entre outros.
Quando está revisando, também é bom se preocupar com a estética do capítulo. Como?

7) Edite o capítulo de maneira clara.

Estética é os espaços que você deixa de uma fala pra outra, se um parágrafo para outro, as pontuações...
Arrumando isso você deixa a história mais limpa, de um modo mais claro. Imagine escrever um parágrafo de dez linhas ou vinte linhas, cansa tanto na leitura como no visual, já li várias histórias assim e, confesso, acabava pulando esses parágrafos longos indo logo para o próximo.
Muitas histórias boas não conseguem chegar a um bom resultado por causa da estética do capítulo. Já desisti de ler fanfics por terem erros de português ou uma escrita muito... irritante, mas também já desisti de fanfics com histórias boas e uma escrita boa também apenas por causa dos longos parágrafos cansativos, a falta de espaço, e por ai vai.



Espero ter ajudado com essas dicas, isso é tudo por este post.
Até a próxima.
Beijos da Ana.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

30 dicas para melhor a escrita

Bem-Humoradas




Nenhum de nós nasceu sabendo. O processo de aprendizagem é longo, podendo durar a vida inteira. Uns têm mais facilidade em aprender, outros têm menos, mas o importante é seguir tentando. E existe uma maneira melhor do que aprender de divertindo? Este post trará 30 dicas bem-humoradas, escritas por João Pedro, professor na UNICAMP, que irão instruí-lo de modo divertido e na prática. Vamos conferir:

1) Deve evitar o máx. a utiliz. de abrev., ect.

2) É desnecessário fazer-se empregar de um estilo de escrita demasiadamente rebuscado. Tal prática advém de esmero excessivo que raia o exibicionismo narcisístico.

3) Anule aliterações altamente abusivas.

4) não esqueça as maiúsculas no início das frases.

5) Evite lugares-comuns como "o diabo foge da cruz"

6) O uso de parenteses (mesmo quando for relevante) é desnecessário.

7) Estrangeirismos estão out, palavras de origem portuguesa estão in.

8) Evite o emprego de gíria, mesmo que pareça nice, sacou? ... então valeu!

9) Palavras de baixo calão podem transformar o seu texto numa m...

10) Nunca generalize: generalizar é um erro em todas as situações.

11) Evite repetir a mesma palavras, pois essa palavras vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavras vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.

12) Não abuse das citações. Como costuma dizer um amigo meu: "Quem cita os outros não tem ideias próprias"

13) Frases incompletas podem causar.

14) Não seja redundando, não é preciso dizer a mesma coisa coisa de formas diferente, isto é, basta mencionar cada argumento de uma só vez, ou por outras palavras, não repita a mesma ideia várias vezes.

15) Seja mais ou menos específico.

16) Frases com apenas uma palavra? Jamais!

17) A voz passiva deve ser evitada.

18) Utilize a pontuação corretamente o ponto e a vírgula pois a frase poderá ficar sem sentido especificamente será que ninguém mais sabe utilizar o ponto de interrogação.

19) Quem precisa de perguntas retóricas?

20) Conforme recomenda a A.G.O.P., nunca use siglas desconhecidas.

21) Exagerar é cem milhões de vezes piores do que a moderação.

22) Evite mesóclises. Repita comigo: "mesóclises: evitá-las-ei!"

23) Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.

24) Não abuse das exclamações! Nunca!!! O seu texto fica horrível!!!!!

25) Evite frases exageradamente longas, pois estas dificultando a compreensão da ideia nelas contida e, por conterem mais do que uma ideia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçam desta forma, o pobre leitor a separá-las nos seus diversos componentes de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.

26) Cuidado com a hortografia, para não estrupar a lingúa portuguêza.

27) Seja incisivo e coerente, ou não.

28) Não fique escrevendo (nem falado) no gerúndio. Você vai estar deixando seu texto podre e estar causando ambiguidade, com certeza, você vai estar deixando o conteúdo esquisito, vai estar ficando com a sensação de que as coisas ainda estão acontecendo. E como você vai estar lendo o texto, tenho certeza de que você vai estar prestando atenção e vai estar repassando aos seus amigos, que vão estar entendendo e vão estar  pensando em não estar falando desta maneira irritante.

29) Outra barbaridade que tu deves evitar chê, é usar muitas expressões que acabem por denunciar a região onde tu moras! ... nada de mandar esse trem... vixi... entendeu bichinho?

30) Não permita que seu texto acabe por rimar, porque senão ninguém vai aguentar, já que é insuportável o mesmo final escutar, o tempo todo sem parar.



Professor João Pedro da UNICAMP


18 erros em fanfics

Os mais comuns.



Quando você escreve ou lê fanfics há certo tempo, começa a perceber que elas têm coisas em comum. Se você é, por exemplo, fã de um anime especial, vai notar que algumas histórias começam todas com a mesma ideia. Que leitor de fanfics de Naruto nunca viu "Sasuke volta para Konoha e..."? Do mesmo modo, percebemos que existem muitos erros em comum. Alguns deles fazem centenas de leitores passarem raiva: "Não acredito que o autor fez isso de novo" ou "Será que ninguém repara nisso aqui?"
Nesse post, vim aqui para salvar o seu dia, ou pelo menos, listar algumas coisas que os autores á deveria ter parado de fazer há muito, muuuuuuito tempo:

1) Usar internetês

sab cm eh rsrsrs n fika lgl se vc abrevia mt as coisas na hr d screver

Doeram seus olhos? Se não, deveria. Ao escrever uma história, seja num diálogo ou na descrição, mantenha distância. As abreviações servem para conversas informais e tão rápidas quanto possíveis. Você não quer dar impressão de que escrever tudo com pressa, certo?
As únicas exceções para o internetês é quando as personagens da história estão conversando por mensagens no celular ou em algum chat da internet. Você, autor, deve passar longe do internetês.

2) Repetir palavras em excesso

Estou em casa. Fazia tanto tempo que não vinha para casa... Que saudades eu estava! É tão bom estar em casa outra vez. Tudo na casa está exatamente do jeito que eu deixei, mesmo que a casa toda esteja empoeirada. Ainda é a casa de antigamente.

Existem dois jeitos de usar a repetição. Um deles é feito por autores mais experientes, usando para enfatizar alguma coisa. Mais do que isso: é proposital, não por acidente. O outro jeito deixa o texto chato e até irritante. Qual dos dois acontece com mais frequência? Uma chance para adivinhar.
Se eu, como uma leitora beta, fosse corrigir o trecho acima, ele ficaria mais ou menos assim:

Estou em casa. Fazia tanto tempo que não vinha para cá... Que saudades eu estava! É tão bom estar aqui outra vez. Tudo está exatamente do jeito que eu deixei, mesmo que todos os cômodos estejam empoeirados. Ainda é a casa de antigamente.

O problema real não é repetir, é fazer isso em um intervalo muito curto entre uma palavra igual e outra. Uma maneira de evitar isso é usar o localizador do Microsoft Word, ou da ferramenta de texto que você utiiliza. Ele vai destacar aquele termo em especial, é só reler e apagar ou substituir aqueles que estão muito próximos. Simples, tecnológico e mágico.

3) Descrever personagens pela cor de cabelo o tempo todo

O moreno olha com uma cara satisfeita para o ruivo e diz:
-Eu já te diverti, agora me faça feliz.
O ruivo olha para o moreno e diz:
-Então, a partir de agora, você vai fazer o que eu mandar.

Por mais que, dependendo da situação fique claro de que personagens vocês está falando, fazer isso toda hora é péssimo. A imagem mental da cena é um monte de perucas interagindo.
Se a sua história tem um elenco muito grande de personagens, é mais conveniente usar os nomes deles em vez de 5 sinônimos diferente (a garota, a menina, a loira, a estudante...). Para um bom exemplo, leia a série Harry Potter.

4) Nível de descrição: zero

Fulano, Ciclano e Beltrano vivem num mundo mágico. Os garotos passam o dia todo em aventuras pela floresta e treinando para serem grandes cavaleiros.

Uma coisa que pode soar óbvia, mas na qual muitos autores pecam, é achar que o leitor é vidente. Que se você apresentar uma personagem só pelo nome, é possível imaginar como ela é fisicamente. Que se você passar muito por cima na descrição é fácil visualizar a história. Não, não é.
Eu acredito que o quanto você descreve depende da história em questão e do seu estilo de escrita. Em uma fanfic de um anime popular, não é tão necessário assim falar "Naruto era loiro de olhos azuis" e coisa do tipo. Já em uma trama completamente sua, ninguém conhece o ambiente ou as personagens. Use sua intuição, pergunte aos amigos ou ao seu beta qual seria a medida.

5) Overdose de adjetivos

Lá estava ele. Alto, loiro, malhado, de ombros largos, postura confiante, o olhar sedutor que encantava todas as garotas, o sorriso atrevido, o andar despreocupa, vestindo seu casaco esportivo, a mochila dependurada em um ombro só, os tênis gastos pelo skate, as calças rasgadas, os amigos ao lado, todos muito menos bonitos que ele. Talvez se eu os visse sozinhos, até os achasse charmosos, mas quase se apagavam diante daquele garoto perfeito.

Esse erro aqui é o completo oposto da descrição zero, e nenhum dos dois extremos é bom para a sua história. O anterior não deixa o leitor imaginar, a overdose é enjoativa e entediante. Mesmo autores profissionais caem nesse problema, como E. L. James, de Cinquenta Tons de Cinza, ou Stephenie Meyer. No caso dos livros citados, isso acontece para dar enfoque total ao par romântico da protagonista, o que não deixa de ser uma falha. Caso você queria mesmo detalhar uma descrição, faça isso aos poucos, um "lote" de adjetivos de cada vez.

6) "Não se fazer sinopse"... Na sinopse. E seus derivados.

"Leia e descubra" "sinopse lixo, história legal" "leia e comente" "ninguém vai gostar dessa porcaria" "odiei esse capítulo" "eu escrevo muito mal!" "É minha primeira fic" "desculpem os erros" "sejam bonzinhos nos comentários"

Para começar, não recomendo nenhuma dessas coisas. Vou explicar por quê.

"Não sei fazer sinopse" e "sinopse lixo, fanfic legal": aprenda a fazer uma sinopse, então, ou peça uma a um amigo e dê os créditos a ele nas notas, não na sinopse. Não assim tão difícil.

"Leia e descubra": o objetivo de uma sinopse por si só é causar curiosidade, então se ele gostar do que viu com certeza vai "ler e descobrir" a história.

"Leia e comente": nas notas da história, até tudo bem. Sinopse não é lugar para isso.

"Ninguém vai gostar dessa porcaria", "Odiei esse capítulo" e "Eu escrevo muito mal": primeiro, se você não gosto do que escreveu não poste ainda. Reescreva, corrija e peça ajuda até gostar. Segundo, não se desvalorize dizendo que escreve mal. A maioria das pessoas que faz isso é para receber elogios, o que não é uma atitude muito honrosa. Mesmo que você ainda não escreve bem, corra atrás de alguma coisa que te faça evoluir.

"É minha primeira fanfic": não é desculpa para não se esforçar. Faça uma boa estreia, ué. Não dizem que a primeira impressão é a que fica?

"Desculpem os erros" e "sejam bonzinhos nos comentários": corrija os erros. A partir do momento que você posta uma fanfic, está colocando sua história à mostra para todo tipo de leitor com todo tipo de opinião. Não estou justificando grosseria de ninguém, mas se prepare para que alguém não goste, não só para elogios.

7) Atitude arrogante ou grosseria com os leitores

"Sem reviews, sem capítulo!" "Não pedi sua opinião" "Ninguém te perguntou nada"

Não façam isso. Nunca. Número um: se não receber reviews, poste normalmente. Número dois: "ninguém te perguntou" e afins é mentira. E o "opiniões, por favor" nas notas finais, o que significa? Que você perguntou, sim. Fosse pra ouvir só elogios, não diria que não perguntou.

8) Títulos em língua estrangeira... Errados.

"Its love?", literalmente, significa "Seu amor?", e ainda tá errado, porque não se usa "it" para pessoas. Você quis dizer: "Is it love?" = "Isso é amor?" ou "Será isso amor?"

Isso é muito chato, sério. O Google Tradutor nem sempre dá versões corretas, quem fala inglês ou qualquer outra língua estrangeira sabe disso. Até na conversão para espanhol, uma língua com estrutura praticamente idêntica ao português, várias coisas vêm tortas. Prefira títulos em português. Se não tem jeito mesmo e você não fala a língua em questão, para evitar que isso aconteça, poste quando tiver certeza do que está escrito ali ou peça para alguém fluente traduzir para você.

9) Fanfics na categoria errada

"Depois do casamento, Edward e Bella Cullen se mudam para..." Categoria: Originais.

É incontável a quantidade de autores que faz isso. Sua história pode ser denunciada e você vai receber uma advertência da moderação caso seja pego. Mesmo que não aconteça, seus leitores-alvo nunca vão procurar uma fanfics de Crepúsculo fora da categoria Crepúsculo, por exemplo, é o mesmo que procurar tubarão no meio do mato. As categorias servem para facilitar a busca. Não faça bagunça com uma coisa que é para ajudar.

10) Colocar emoticons no texto

"oi linda n___n" "oiiiiiii *.*" "como você tá? *o*" "to bem e você? s2 s2 s2"

Reserve os emoticons para o MSN, o Facebook ou SMS. Eu mesma os uso com meus amigos. Não quero dizer que possam aparecer por todo canto da sua narração, descrição, diálogos...
Assim como os internetês, existe uma exceção para cenas onde as personagens estejam em um chat ou trocando mensagens pelo celular, mas é só. De resto, fuja. Para bem longe.

11) Capítulo de apresentação de personagens

"Fulaninha: Estrutura alta, cabelos escuros e longos com franja, magra e branca, olhos verdes. É amigável, extrovertida, ama festas, garotos..."

Vai contra as regras do site e não é legal, parece que você tem preguiça de escrever. Fichas de personagens são para você usar como ferramentas para você, autor, a fim de não se perder ou esquecer detalhes, talvez em um jogo de RPG (interpretação de papéis), e não devem ser publicadas. Existem vários jeitos de apresentar personagens, dê uma olhada no que os autores de livros costumam fazer e use nas suas histórias.

12) Underline no ligar do travessão

_Temos que correr!_ Ela disse  Não, temos que concertar a fanfic"

Além de ser um erro, é esteticamente feio. Para não ter desculpa de "ai mas eu não sei onde fica o travessão", eu vou ensinar um truque. Se você usa o Microsoft Word para escrever, seus problemas acabaram.

a) Clique na aba "Inserir" e no ícone "Símbolo"








b) Uma caixa com símbolos vai se abrir. Cloque em "Mais símbolos"









c) Uma janela vai se abrir. Clique na aba "Caracteres especiais"



d) Clique na linha aonde aparece o travessão () e com ela demarcar em azul, no botão "Tecla de atalho"



















e) Clique na caixa de texto "Pressione a nova tecla de atalho" e aperte a sequência de teclas que você quer configurar para fazê-lo aparecer.







 

Eu uso a configuração do underline,que é "Shift" + "-". Isso não vai fazer o comando anterior desaparecer do seu Word caso você precise usá-lo, quiser, dê o comendo do travessão e Backspace "apagar" logo em seguida, o símbolo antigo vai dar as caras. E chega de diálogos com underline!

13) Parágrafos "têm de tudo" e com tamanhos bizarros

Não vou dar exemplo dessa vez, saria muita fadiga e eu quero evitar a fadiga. Um parágrafo do tipo "tem de tudo" junta um monte de assuntos sem dar um mísero "enter", aí começa falando das meias que a personagem vestiu e termina com uma reflexão dela sobre o futuro do planeta e o aquecimento global. Isso pode acabar dando a ele um tamanho absurdo, de umas dez linhas ou até mais, ou só ficar tudo confuso mesmo. Em caso de não saber onde começar e acabar cada assunto, peça uma mãozinha ao leitor beta e/ou veja o que autores profissionais fazem.

14) Usar links e imagens por preguiça de descrever

Acordei e me olhei no espelho. (link) Abri o armário (link), fiquei indecisa entre a camiseta (link) e o casaco (link), mas acabei escolhendo o vestido (link). Depois, calcei os sapatos (link) e fiz a maquiagem (link).

Você gosta de moda? Legal. Sua personagem tem bom gosto para roupas? Incrível. Sua fanfic está lotada de imagens e links nos capítulos? Opa, espera aí.
Esse erro irrita o leitor (clicar neles o tempo todo é chato e fotos atrapalham o andamento do capítulo) e encurta demais a descrição. Um texto escrito, como um livro ou uma fanfic, depende da imaginação do leitos e, para deixar claro no que você, autor, está pensando, é necessário descrever.
A quantidade de detalhes e a maneira como eles são expostos varia de acordo com a narração e o assunto na hora. Saiba você ou não como descrever, vá se desapegando dos links. Mesmo que os use vez ou outra, eu recomendo um máximo de dois por capítulo. E, acabou a folga. Escritores, ao trabalho!

15) Alterar primeira com terceira pessoa

Meu nome é Fulana, estou caminhando para a escola. De repente, Fulana viu sua amiga saindo pelo portão, e a aula nem mesmo tinha começado.

Não tem "mas". Está errado. Fica confuso, tira a característica pessoal ou impessoal da história, mistura os tempos verbais, enfim, uma bagunça total. Quer mesmo, mesmo, mesmo fazer isso? Então primeira pessoa em um capítulo, terceira em outro. Não recomento de qualquer modo.

16) Um monte de pontos de vista (POV) no mesmo capítulo

Fulana POV: Dobrei a esquina e vi Ciclana. Meu Deus!
Ciclana POV: Não acredito. É Fulana, depois de todos esses anos? Corri para ela.
Beltrana POV: Observei de longe. Aquelas duas iriam pagar pelo que fizeram comigo.

Assim como o erro anterior, dá um nó na cabeça dos leitores. Dá tranquilamente pra fazer uma história com um ponto de vista por capítulo, vide George R. R. Martin (As Crônicas de Gelo e Fogo), Rick Riordan (Percy Jackson e os Olimpianos e As Crônicas de Kane), Brandon Sanderson (Elantris) e vários outros. No mesmo capítulo vira confusão

17) Marcadores de "on" e "off"

Ligação on. Ligação off, Flash back on. Flash back off, POV Fulana on. POV Fulana off, Pensamento on. Pensamento off

Por favor, não. Dá pra saber que quando a personagem diz "Alô?", a ligação começou e no "tchau", ela desligou. Se não disse "tchau", "colocou o telefone no gancho" ou "apertou o botão de desligar" são mais do que suficiente. Com flash backs, não é tão óbvio, então use letras em itálico ou deixe claro no parágrafo anterior que aquilo é uma memória. Tenho medo de quem usa POV e pensamento on/off. Pensamento entre aspas. Eu imploro.

18) Jogar pedras no seu beta ou em qualquer pobre almo tentando ajudar

"Você tá é com inveja!" "Faz melhor, já que não gostou" "Não tenho culpa se você não entendeu" "não sou profissional, pare de me cobrar" " a fanfic e minha, eu escrevo do jeito que eu quiser" " você é o único que não gosta" "esse é meu jeito de escrever não tente mudar" "o importante é o conteúdo da fanfics, não como em escrevo" "quero opiniões, mas se vier para criticar nem precisa" "Eu n qria w vc corrijisse meu portges soh a istoria!!!!"

Preciso comentar? bem, acho que não. Mas ainda assim, vou comentar. Não faça isso! Se tem pessoas criticando, você precisa melhorar, aceite as críticas, eu mesma já recebi várias e apenas agradeci e melhores meu modo de escrita, ninguém é perfeito, aceite que precisa melhorar e não brigue com ninguém por isso.

Isso é tudo por esse post, espero ter ajudado a melhorar em algum dos erros que você comete e tente não cometer mais, já cometi alguns, tenho que confessar, mas não o faço mais, pois ACEITO AS CRÍTICAS e sugiro que façam o mesmo.
Até a próxima.
Beijos da Ana.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Narração: na primeira ou terceira pessoa?

Eu ou você?




No post sobre modos de narrar, primeira ou terceira pessoa? Lembrando (antes de tudo) que não existem regras para escrever fanfics, existem padrões das línguas (língua portuguesa, inglesa, etc) e conceitos entre escritores mais experientes (como a estruturação, o desenvolvimento dos personagens e outros). Se escrever é expor o que pensamos e imaginamos, então que façamos do modo que achamos melhor, mas se esforçar um pouco em prol de quem lê não machuca nem arranca pedaço, certo?

Adentrando no assunto de hoje, que é (como já mencionei) os modos de narrar a história. Sempre que começo a escrever uma nova fanfis me pergunto: escrevo a minha história em primeira ou em terceira pessoa? Devo imaginar que não sou a única, sempre existe uma dúvida na hora de escrever.

Essa maldita pergunta que muitos de nós  nos fazemos ao iniciar uma história, podemos afirmar que não há um modo exato, quando usar uma pessoa ou a outra ou quando não usá-la. O correto a se levar em conta é qual das duas pessoas é melhor para a história. Tanto em primeira pessoa quanto em terceira pessoa a trama pode fluir normalmente mas existem suas diferenças.

O primeiro passo quando chegamos nesta etapa (ou seja, onde decidir em qual pessoa a história se desenrolará) é pensar: como eu quero que os fatos ocorra? O quanto do suspense pode ser revelado conforme o desenrolar da história? Como serão os personagens, como eles irão interagir? E, principalmente, como eu quero que seja a narração?

Vamos começar com um exemplo:

Eu corria desesperadamente, olhava para trás a todo o momento para tentar ver se ele estava muito perto. Podia ouvir o barulho dos seus passos rápidos logo atrás de mim e o som de sua respiração descompassado pela corrida, mas o que prevalecia era o som das batidas do meu coração disparado. Disparado pelo esforço da corrida, pelo medo, pelo receio de ser pega, pelo desespero..."

A narração em primeira pessoa sempre dará ênfase aos sentimentos do personagem, por que ele é quem conta os fatos, Há drama, ha sentimentalismo, há emoções. Uma adolescente apaixonada narrando sua história de amor a encheria de paizão, de rebeldia, principalmente de sentimentos negativos em relação a si mesma e à correspondência do seu amor, pois o texto sofre a influência dos sentimentos da personagem, devido a narração estar sob o seu ponto de vista.

Já na terceira pessoa narrando, seria algo mais "distante":

"Ela corria desesperadamente, olhava para trás a todo instante para tentar ver se ele estava muito perto. Ela podia ouvir o barulho doe seus passos rápidos atrás de si e o som da respiração descompassada pela corrida, mas o que prevalecia era o som das batidas de seu coração. Disparado de medo, de receio e de desespero."

O narrados não participa da história, ele vê e sabe tudo. Ele tem uma visão ampla dos fatos. Isso não acontece na narração em primeira pessoa.

Então como eu sei quando usar um ou quando usar o outro?

Vamos destacar que o que você escolher será o que você usará o tempo inteiro na história. Não fique trocando as pessoas do discurso só por que , usando o que você escolher não dá para colocar uma ceno ou outra. O desafio é encaixar as cenas no enredo dentro da narração escolhida. Ficar trocando a pessoa que narra apenas deixará os leitores confusos, fora que os mais experiente ou irão comentar que é incômodo ou deixarão de ler, e ninguém que perder leitores por causa de um detalhe tão pequeno, não é?


Agora vamos tentar demonstrar mais algumas diferenças entre uma narração e a outra em algumas situações:

Saber o que acontece em outros lugares: se narramos em primeira pessoa, não tem como nós sabermos o que o nosso namorado, por exemplo, está fazendo em sua casa quando estamos na nossa. Nossa personagem também não sabe. Não tem como saber o que acontecer no Norte estando no Sul, só se alguém contar à personagem ou ela descobrir quem de algum modo, mas devemos nos lembrar que: se a narração está na primeira pessoa, e é a personagem quem narra então o narrador não sabe tudo o que acontece.
Já na terceira pessoa, além de o narrador saber tudo o que acontece, ainda pode revelar o que acontece em outros lugares sem que seja necessário a presença da personagem principal.

Comentar o que acontece em outros lugares: em primeira pessoa, se a personagem está em sua casa, narrando o que está assistindo na televisão, como é que ele sabe o que acontece no colégio onde estuda naquele exato momento em que ela está em casa? Simples, a personagem não sabe. Saberá quando alguém lhe contar, claro, mas, a menos que ela tenha poderes psíquicos que o fazem saber tudo o que acontece no mundo enquanto está no Havaí, ela não sabe, e ficará sem saber.
Para que possa comentar sobre outros lugares, a solução é fazer com que ele descubra de algum modo, e como ele descobrirá é o desafio de escrever em primeira pessoa.

Saber o que o outro personagem pensa: assim como não somos capazes de saber o que as outras pessoas pensam, nossa personagem também não é capaz de saber (só se ela tiver poderes como os X-men, se não, é melhor desistir da ideia). Vamos nos lembrar de que o limite para a narração em primeira pessoa é narrar baseado na personagem, no que ela sente, pensa, sabe.
Fazer suposições é diferente de saber o que a pessoa pensa: "eu acho que ela está falando mal de mim", "conhecendo-a como a conheço, sei que está falando de mim", "ela definitivamente está falando de mim". O último exemplo passa a sensação de que a personagem não pode afirmar com toda a certeza que é dela que estão falando, e é essa certeza que a narração em terceira pessoa te, mas a narração em primeira pessoa, não.


Há outros exemplos, mas seria necessário muitas páginas para comentar sobre todos eles. O jeito mais fácil é se perguntar: é viável que essa condição, pensamento, narração, cena e ect. aconteça na narração em primeira pessoa sem a ajuda de poderes sobrenaturais ou psíquicos? Basta analisar de modo mais realista tornando sua personagem o mais humanizado possível, afinal, escrever sobre fantasia é legal, mas existem coisas que podem forçar a barra, principalmente se a sua história não for em um mundo de magias e essas coisas sobrenaturais, mágicas ou ninjas.
Espero que tenha ajudado vocês com suas dúvidas.
Até a próxima.
Beijos da Ana.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Como escrever o primeiro capítulo

Os tão temidos.



Sendo o  primeiro capítulo de muita importância, como será visto a seguir, não serão apenas os iniciantes os beneficiados com esse post. Aqueles que acabam escrevendo algumas linhas que matam qualquer beta-reader ou leitor que já tenha esse senso crítico também poderão aprimorar a sua escrita através desse post. Estarei me referindo a fanfics, mas também pode ser válido para livros, por exemplo, aproveitem.

Sabe aquela famosa primeira linha de "meu nome é tal, tenho tantos anos...", que dá início a uma introdução da personagem? Ou aqueles que dizem depois "ah, me desculpe" ou "ah, me esqueci de me apresentar"? Assumo que já escrevi coisas assim (e, nesse momento e em todos os momentos, tenho vontade de tacar fogo nas minhas antigas fanfics. E esse desejo não cresce por ser errado começar uma história desse jeito, mas sim poruqe é inadequado, sendo sinônimo do amadorismo. Ha uma diferença tênue entre esses termos).

Indo para as dicas. Para iniciá-las, é preciso haver o entendimento da importância do primeiro capítulo (não só para o escritor como também para o leitor).


"A primeira impressão é a que fica."

O primeiro capítulo é a segunda coisa que mais representa a sua fanfic (já que a primeira é a sinopse). Do enredo, porém, será o capítulo mais importante por introduzir o leitor a um novo mundo, ao mundo que você proporcionou e continuará a proporcionar a ele.

Nesse primeiro capítulo (além de introduzir a história) você também mostrará o seu estilo de escrita. Por acaso você se lembra do velho ditado "a primeira impressão é a que fica"? El livros é exatamente assim. Se a pessoa ler o seu primeiro capítulo com o seu estilo de escrita e não gostar, adeus leitor. Ele não terá piedade de abandonar a fanfic e ninguém quer que isso ocorra, certo? Por isso, preste atenção nas dicas que aqui serão dadas especificamente para você. Não quero ofender ninguém, apenas quero ajudá-los.


Rabiscando no computador

Espera-se que você já tenha montado o início, o meio e o fim da sua história. Caso contrário, não está na hora ainda de escrever o primeiro capítulo. Depois de ter feito já a descrição do que ocorrerá na fanfic (fazer isso fica mais fácil de seguir com a escrita e não perder o rumo de sua história), escreva uma parágrafo resumindo os principais acontecimentos do primeiro capítulo, que deve iniciar a trama da fanfic. Por exemplo (e esse exemplo foi baseado em uma novela mexicana e, por isso, é dramático):

"Maria é uma policial disfarçada em um pequeno vilarejo. Fingindo ser uma fotógrafa de lugares exóticos, o seu verdadeiro objetivo era prender o corrupto prefeito do local. Apaixonada pela justiça, ela não contava com o paradigma de um novo visitante por quem se apaixoná: um fugitivo da polícia que está usurpando o lugar de um morto. Agora, ela terá de escolher entre o amor e a justiça."

Nesse parágrafo, há uma pequena apresentação da trama. É algo que ocorre antes do clímax, ou seja, do auge da história que iniciará a partir da confusão do paradigma amor-justiça no caso do exemplo. Os acontecimentos aqui narrados dão início a, justamente, esse auge. Para conquistar, muitos escritores americanos, principalmente de ficção, utilizam esse meio para escrever histórias. Pois é, aquele livro que você idolatra não começou com o primeiro capítulo (começou assim mesmo: com um parágrafo aleatório e introdutório).

Depois de ter feito isso, tente expandir esse parágrafo. Adicione informações a ele, preencha-o (sempre, é claro, dando coerência). Continuando o exemplo acima, mencionaria-se o conflito interno da personagem diante de tal paradigma. Tentaria-se expandir a situação para o quadro psicológico.

Quando você terminar esse parágrafo, você poderá começar a escrever o primeiro capítulo utilizando várias ideias que foram distribuídas nele, mas começando o capítulo do zero. Será um jeito de você ver as perguntas que surgem com o clímax para tentar colocá-las no primeiro capítulo para o leitor querer continuar a sua leitura, a fim de resolver os mistérios que despertaram a sua curiosidade.


Ambientação e sua descrição

Seguindo em frente, após escrever esse pequeno parágrafo, note em que lugar você começou a narrar a fanfic. Naquele parágrafo de exemplo, não se mencionou o local de início, então se começaria por algum lugar do vilarejo caso o foco narrativo começasse com Maria. Se o foco pertencesse ao fugitivo, poderia indicar que tudo iniciou na fuga da prisão, o que também daria certo ritmo à história.

Isso é muito importante: dar intensidade para não entediar o leitor. Como é a parte mais importante da história, tente prender o leitor logo ali, mas sem apelar para as lutas, invasores ou qualquer outra coisa. Não crie um novo acontecimento a cada capítulo apenas para prender o leitor. O desenvolvimento do enredo já faz por si mesmo.

Além disso, trate de realmente ambientar o local. Não diga alco como "estava na prisão", diga "as paredes o cercavam por diversos lados, isso fazia-o se sentir como um animal enjaulado".

Além de tudo já mencionado, é importante realçar que o primeiro capítulo demonstra ao leitor o onde e o quando. Não é preciso mencionar obviamente, apenas guie sem pesar muito nas descrições.


Caracterização das personagens

É aqui que encontramos o elemento que prenderá o leitor à fanfic. Assim que houver uma identificação com uma personagem, o leitor quererá saber o que acontecerá em seguida, qual será o próximo acontecimento ou como ele resolverá o problema.

Chuck Wendig, romancista, roteirista e designer de jogos, disse:

"Se eu chegar ao final do primeiro capítulo e eu não tiver uma ideia sobre o seu personagem principal (se eu e ela não estivermos conectados através de alguma corda psíquica pegajosa invisível) eu estou fora. Eu não preciso gostar dela. Eu não preciso saber tudo sobre ela. Mas eu tenho a maldita certeza de que preciso me preocupar com ela. Faça-me importar! Acione o botão de volume do fator se importar. Deixe-me saber quem ela é. Faça-me temer por ela. Fale-me de sua busca. Sussurre para mim por que é importante a sua história. Dê-me isso, e eu vou segui-la através das entranhas do Inferno."

Sendo assim, nunca idealize uma pessoa. Ninguém é perfeito, nós sabemos disso. Então, aproveite para explorar os defeitos (bem como as qualidades). Não faça alguém só cheio de defeitos ou só cheio de qualidades Tente conciliar as características. Para facilitar esse processo, pode até basear a pessoa em você (nada ao pé da letra como nome, idade, colégio, nome dos amigos...), pois o melhor é sempre você escrever sobre algo que você domine. Se não souber descrever lutas, por exemplo, fuja delas. Coisas do gênero. Quanto mais você souber sobre o que você está falando, melhor.

Voltemos à introdução, observando que não queremos uma avalanche de detalhes da personagem. É preciso desenvolvê-la aos poucos. Por exemplo "Maria era uma policial séria, discreta, paciente e racional" não seria escrito. Desenvolveria-se ao longo do capítulo para não deixar isso tão previsível.

E quando você for escrever algo como "- Só pode ser praga" - exclamou ele", procure dar mais informações. Diga algo como "exclamou ele, cerrando os punhos e os lavando à cabeça, enquanto o seu queixo tremia devido à sua força". Isso demonstraria a irritabilidade dessa personagem recém-criado. Assim é mais legal ao leitor se envolver na história ao juntar as peças do quebra-cabeça do que você dar uma quebra-cabeça completo.
Qual seria a graça do presente? E é justamente isso que a leitura é ao leitor: um presente. Podemos viajar, podemos esquecer, podemos viver. É um reino mágico onde não deveria ser tão difícil de entrar, certo? Deveria haver mais autores, certo? Errado. Escrever é difícil, é necessário dedicação. E , principalmente, leitura. Vamos ver a equação da escrita:


Leitura está para escrever assim como escutar está para falar. Se você não escutar, não conseguirá falar algo que preste. Ou seja, se você não ler, não conseguirá escreve decentemente.


Diálogo é o que há

Além disso, é essencial realçar a importância dos diálogos. É o melhor caminho de caracterizar um personagem, repassando os aspectos físicos e emocionais que você pensou ao escrever. Diálogo é o jeito mais rápido de fazer o leitos conhecer a personagem.

Aliás, é um dos melhores jeitos de começar o primeiro parágrafo da história. É melhor que "Era uma vez" que "Era o ano de XXXX" ou que "Maria estava caminhando pelo vilarejo". Porém, não pode ser qualquer diálogo. Tem de ser bom, tem que ser intrigante, tem que grudar o leitor ao computador e fazê-lo nunca querer tirar a cara dali. Por isso, muitas histórias possuem o Prólogo. Essa parte revela algo crucial à história, podendo conter alguma coisa da própria ação.
Por exemplo, se eu começasse uma história de ação com um Prólogo assim, você leria?

"- Dave, por favor, não fica mais aqui. Eles estão vindo, eles estão vindo! - por mais aguda que a sua voz estivesse, verdadeiramente, ela não queria que ele saísse dali. Em um acesso de egoísmo, queria agarrá-lo e apenas ficar ali com ele, mas não conseguiria privá-lo de sua própria vida.
- Não, Duda, eu vou te tirar daqui, eu prometo - a sua voz era firme ainda que os seus olhos estivessem cheio d'água.
Mais uma vez, ele tentou retirá-la das ferrugens do carro em que estava preso o seu pé. Em meio às lágrimas, Duda já não sentia mais a dor física agora apenas se preocupava com David, que morreria junto a ela por tentar salvá-la. Ela realmente rinha feito algo para merecer morrer, mas ele, não. Com certeza, o rapaz não merecia um destino tão cruel quanto aquele."

Há, aí, a tentativa de estabelecer um trecho que ocorreria no meio da fanfic. E, afinal, você ficou curioso para saber o que está acontecendo com a Duda? Qual é a sua relação entre ela e o David? Como eles são? Quem está vindo? Essa é uma dica que também vale ouro: desperte perguntas que você seja capaz de responder depois. Até você esclarecê-las, o leitor está preso a você.

Por conseguinte, busque ser o mais realista possível com os diálogos, de tal maneira, as personagens não precisam falar na norma culta (a não ser que seja uma fanfic escrita no passado ou algo da sociedade de mórmons(?)). Use gírias, saia da concordância verbal (os faça pessoas reais, parecidos com quem você convive). Dependendo da idade, falará de um jeito. Se baseie, por exemplo, em adolescentes que você conhece para escrever os diálogos deles.
Claro, procure evitar tantos estrangeirismos (principalmente das palavras em inglês) para não guiar a fanfic ao grupo de pessoas que entende essa língua e não exagere demais. É sempre bom ter uma margem bem ampla de público, ficando sempre aberto a todos. Há, porém, aqueles que se desafiam e fazem algo bem restrito, e penso que eles merecem palmas.


Conclusão

Em suma, para ter um bom primeiro capítulo, é necessário introduzir sobre o que é a fanfic. Além disso, cuide sempre a ambientação sem optar pelo óbvio assim como deve ser feito na caracterização das personagens. Busque sempre o próximo do real e dê o seu ponto de vista sobre ele.

O primeiro capítulo deve ser o mais difícil de escreve, não se preocupe. Você não está sozinho nessa, pois todos passam pelo mesmo problema. Não sendo monótono, você conseguirá uma grande abertura para a sua fanfic. Se tiver dúvidas se o primeiro capítulo está entediante, contrate um beta-reader (que permanecerá lá dando o seu ponto de vista por toda a história), pois ele criticará coisas assim (além de muito mais).

Lembre-se; a sua missão aqui na Terra é a de abduzir leitores. Caso não o faça, voltará para o seu planeta de origem.
Espero que tenha gostado das dicas desse post.
Até o próximo.
Beijos da Ana.

terça-feira, 7 de abril de 2015

Como escrever a sinopse de sua fanfic

Para uns, fácil. Para outros, a pior coisa do mundo.




Sinopse: versão menor de um texto; resumo encurtado; breve sumário.


Falarei de sinopses nesse novo post. Sinopses são vistas em vários lugares e de vários assuntos: fanfics, livros, jogos e até de obras científicas. Elas existem para nos dar uma pequena explicação, é uma apresentação sobre uma obra. É a partir dela que decidimos se vamos ler ou não o livros, comprar ou não o jogo, ou saber se aquela obra é realmente a que procuramos.

Mas sinopse é realmente importante? E para fanfics?

É essencial. Quando falamos de fanfics é necessário lembrar que o primeiro contato que o leitor realmente tem com a história é através da sinopse. É ao lê-la que ele, muitas vezes, decide se lerá a história ou não. Uma boa sinopse já dá uma pista de que a história pode ser boa, e há algumas coisas essenciais para que elas atraiam (ou não) os leitores:

Tamanho
É sempre bom lembrar que exageros são dispensáveis. Quando você for escrever uma sinopse, nunca a faça muito pequena ou muito grande, procure deixá-la com um tamanho bom.

Detalhes
Nunca faça a sinopse a ficha pessoa do seu personagem, incluindo o nome complete, altura, gostos e amores. Também não exagere nos adjetivos, seja direto e centrado, escrevendo o essencial e o que atrairá os leitores.

Avisos
Avisos do tipo "é minha primeira fanfic", "sinopse lixo, fanfic melhor" e derivados, nunca, sob hipótese alguma, farão com que o leitor leia a história. Muito pelo contrário, o assustaria.

Deixar em branco
Não deixe o espaço da sinopse em branco, não só faz parecer que você não se esforça para deixar a sua história interessante como também pode fazer alguém denunciá-la por não conter sinopse, afinal, ela é o primeiro contato do leitos com a história, como já falei.

Escrever em capslock (DESTE MODO)
Além de ser incômodo ainda chama muito a atenção parece muito que você é inexperiente. Existem modos melhores de fazer os leitores se interessarem pelo texto, como, usando palavras menos conhecidas e tento coerência (o que é o principal).

Coerência e coesão
A sinopse precisa ser coerente, seguir uma linha inteligível de pensamentos. Deve ter coesão com a história, tema e todo o resto. É fácil perder a coerência quando se escreve muito, por isso é bom maneirar.

Conteúdo
O maior dos pecados é quando um autor escreve tudo o que acontece na história dentro da sinopse. Desde como os personagens se conhecem até se eles morrem ou ficam juntos. Não faça isso. Para que o leitos lerá a história se (quando leu a sinopse) já soube tudo o que acontece?


Dicas de como fazer uma sinopse

Abuse do suspense
Não tenha medo de deixar questões pendentes. Quanto mais intrigante for a sinopse, mais vontade o leitor terá de ler a história. Faça perguntas, termine a sinopse com uma frase incompleta, instigue o leitor.

Use como base o começo da história
Coloque os acontecimentos iniciais da história instigando os leitores a descobrirem o que acontece no final dela. É um bom modo de criar uma sinopse quando a história é longa.

Poemas ou letras de músicas
Caso haja uma música que se enquadre na sua história, não há mal em usá-la como sinopse. Na realidade é mais fácil usá-la quando não se sabe fazer sinopses ou não se quer.

Frases
Seja uma frase da própria história ou de outra pessoa, que tenha coerência com a sua história, pode ser uma boa escolha. É mais aconselhável que seja uma frase de sua própria autoria.


E essa dica acaba aqui, espero ter ajudado com as dúvidas que você tinha em como escrever sinopses para suas fanfics. E lembre-se, sempre que você escrever a leia e pergunte para si mesmo "eu leria essa fanfic?"
Até a próxima.
Beijos da Ana.

Como escrever cenas românticas

Ah! Amor, o doce amor...



Hello guys! Nesse post falarei sobre algo que é motivo de várias dúvidas entre muitos escritores (independente do que ele escreve, fanfics, livros, contos...). Penso que até mesmo alguns renomados escritores ainda tem certa dificuldade na hora de escrever. Falarei das famosas cenas de romance.

Quem já se cansou de histórias em que, nas cenas de romance tão esperadas, leem apenas as seguintes palavras: "e ele me beijou", ou coisas horrivelmente melosas em que a personagem passa um terço da história descrevendo o seu beijo maravilhosamente maravilho com o seu "príncipe encantado".

Pois bem, para escrever uma boa cena de romance, temos que nos lembrar de um fato muito importante: beijos são coisas que nos despertam sentimentos. Não importa se foi nojo, por causa de uma situação forçada ou apenas desagradável, ou felicidade, pois a personagem esperou por muito tempo por aquele momento ou simplesmente achou agradável.

Outra coisa que é importante: o primeiro beijo nunca é algo intenso ou divino. Que atire a primeira pedra quem teve o seu com seu príncipe encantado no meio de uma praia com um lindo pôr-do-sol ao fundo e uma trilha sonora perfeita tocando, impossível, certo? Vamos ser um pouco realistas, okay? Sua personagem pode até gostar, porém não pode ser algo profundamente intenso. Então, temos que lembrar que, ela querendo ou não, vai ser inesquecível (mesmo que de uma forma horrível).

O mais importante nessas cenas é se lembrar de suas próprias experiências ou se inspirar em algumas autoras que realmente são boas nisso, cujos livros, fanfics ou seja o que for, sejam mais focados no romance.

Também não podemos nos esquecer de que cenas de romance não são apenas beijos. Abraços, cafuné, andar de mãos dadas, falas fofas e outras coisas assim também são contados como romance e, além de darem um toque mais real a história, ainda fazem com que o seu texto fique mais rico.

Vejo muitas autoras confundirem a forma como narrar afeto que a personagem sente pelo seu melhor amigo e o amor que sente por aquele cara que faz seu coração bater mais forte. E isso é algo essencial, por isso vou tentar diferenciar ambos os sentimentos:

Um sentimento de afeto é bem mais calmo, agradável e que faz seu coração ficar estabilizado. Já o amor é mais conturbado, desesperador e faz sentir como se o coração fosse sair pela boca de tão apressadamente que ele bate.

E, claro, não podemos esquecer que para compor uma cena de romance, a personagem não deve apenas chegar ao lugar onde está o garoto dos seus sonhos, falar qualquer coisa sem sentido e, de repente, os dois estão se beijando loucamente. Antes disso temos que criar um cenário, além da forma como os dois personagens foram parar ali juntos.

Também não é adequado, a meu ver, fazer uma cena de beijo um dia após o casal se conhecer. Seria bom uma espécie de "enchimento", nada que seja do tipo: "eles se esbarraram na rua, ele olhou nos olhos de Jujuba e beijou-a.". Até por que, se fosse assim, não seria romance.

É extremamente importante, porém, a maioria das pessoas se esquece, ter em conta que o nosso corpo envia sinais de quando estamos interessados por uma pessoa. Exatamente pelo fato de quase ninguém se lembrar, resolvi citar alguns sinais que me parecem ser importantes:

1) Demonstrar cuidado com a aparência;
2) Sorrir com frequência;
3) Posicionar o corpo na direção da outra pessoa;
4) Inclinar o corpo e imitar a postura do outro;
5) Tocar na outra pessoa;
6) Ficar muito perto durante uma conversa;
7) Olhar fixamente para a outra pessoa;
8) Prestar muita atenção na outra pessoa;
9) Tomara iniciativa de contato;
10) Prolongar o encontro.

Mas é claro que não podemos nos esquecer de dos personagens. Isso é um fato de suma importância.


Agora, penso que deu para tirar uma boa parte de suas confusões sobre as cenas de romance. Espero que tenham gostado e possam fazer bom uso dessas dicas em suas histórias.
Até a próxima.
Beijos da Ana.

Como escrever cenas de luta

One. Two. Three. Fight!




O que se fazer quando não se sabe o que pôr em uma cena de luta?

A cena de luta (dependendo da fanfic, história, conto, narrativas em geral) pode ser a parte mais importante. No entanto, muitas vezes é difícil escrever este tipo de cena e acaba se tornando um desafio, pois é preciso transmitir diversos aspectos nessa parte da narração.

E a pergunta está de volta: o que se fazer quando não se sabe o que pôr em uma cena de luta?

Vou dar uma leve ajudada em alguns elementos que deve se ter um tipo a mais de atenção na hora de escrever sua cena de luta.


1) Personagens

Os personagens fazem toda a diferença. Existem personagens com inúmeras habilidades e que (em alguns casos) podem trazer vantagens ou desvantagens em um conflito.

Exemplos:

Personagens com armas normais: com esse tipo de personagens temos aqueles que usam armas comuns, geralmente brancas, como espadas, arcos, adagas os até mesmo as próprias mãos. Um exemplos deles é Katniss Everdees (Jogos Vorazes) ou também Ezio Auditore (Assassin's Creed). Personagens assim (de uma forma geral) são aqueles que conseguem fazer o que um ser humano normal (com muito treno ou não) consegue fazer e, claro, é preciso lembrar que eles também cansam.

Personagens com poderes especiais: já com esse tipo temos aqueles que possuem poderes inexistentes em nosso mundo e, geralmente, fazem uso de magias ou poderes psíquicos. Além disso possuem fontes alternativas de energia. Como, por exemplo, Naruto (que usa o Chakra como fonte de energia) e Ichigo (Bleach. Por mais que ele use a espada como sua arma, ele possui poderes anormais). Porsonagens desse gênero costumam causar algumas catástrofes no ambiente quando realizam seus golpes e também possuem maior resistência, não se cansando tão rapidamente.

Personagens com características especiais: eles são bem semelhantes aos de "poderes especiais", mas existe uma característica que os diferem: a fonte de energia alternativa, que é ausente nesse tipo. Esses personagens, geralmente, possuem algum poder especial. São resistentes, mas tem diversas características dos que usa "armas normais". Como exemplo eu posso citar Edward Cullen (Saga Crepúsculo) e diversos super-heróis, como o Batman ou o Hulk


2) Ambiente

O local onde a batalha acontece é essencial para uma boa descrição. Os detalhes precisam sem bem especificados. Por exemplo, não podemos citar só uma floresta, pois ela pode ser uma floresta aberta ou fechada, pode estar de dia ou noite (em determinadas histórias, isso pode fazer toda a diferença. Por exemplo, se tivermos algum personagem que é mais poderoso à noite), pode ter uma lagoa ou não (pode ser que exista um ser capaz de usar a água como arma).

Usando isso como base, podemos diferenciar se:

O lugar é aberto ou fachado: nesse casa, temos (por consequência) a presença do céu. Num lugar fechado, as condições climáticas são ignoradas. Se existe algum personagem que, por exemplo, seja um lobisomem e dependa da lua para ampliar seus poderes, fica bem claro que ele estará enfraquecido. A mesmo coisa acontece se temos um vampiro que fique em desvantagem por estar exposto ao sol.
As condições climáticas são favoráveis: se está nevando, chovendo ou apenas o céu está nublado. Essas condições possuem as mesmas influências que o tópico anterior. Podemos dizer, por exemplo, os Nórdicos de Skyrim, que são resistentes ao gelo e, por consequência, resistentes a lugares nevados. Utilizar o ambiente como vantagem é uma tática usada desde sempre, pode-se citar o filme 300 como exemplo, pois eles, por estarem em menor quantidade num exercito, precisam elaborar essas estratégias para garantir a vitória, isto é, eles estão trabalhando com as desvantagens, buscando reverter as circunstâncias com o que o âmbito favorece.
A área do local é favorável: podemos ter uma região íngreme, uma grande cratera no meio do nada, ou uma batalha em pleno ar. Para essas condições, as descrições já devem ser outras. Como no último exemplo, a do vento pode ou não influenciar.
Existem detalhes adicionais: pode ser que em uma determinada situação, algum elemento terceiro pode trazer uma vantagem ou desvantagem para algum dos personagens da cena de luta. Isso é muito comum de acontecer com personagens de "poderes especiais". Por exemplo, temos uma luta do anime Naruto e que, por algum r da batalha possui uma espécie de barreira que impede a circulação de Chakra (a energia alternativa deles), então eles ficam incapazes de realizar os estilos de Ninjutsu e Genjutsu (estilo de luta que exige o uso de Chakra). No entanto, os usuários de Taijutsu (estilo de luta corpo-a-corpo) terão vantagem, pois esse estilo não consome a energia alternativa.


3) Montando sua cena

Os dois últimos itens serviram para demonstrar a atenção na hora de escrever uma cena de luta. Agora vamos prestar atenção na parte da administração, que é quando começamos a juntar os fatores. No que foi dito até aqui, ficou claro que as lutas sempre trabalham com VantagemXDesvantagem, o que segue mais ou menos esse caminho:

Personagem > Cenário > Vantagens > Resultado da Luta

Ao visualizarmos nosso tipo de personagem, precisamos ver como ele se encaixa na cena. Então antes de uma cena, é recomendável que você separe algumas características dos seus personagens que estarão  na luta, como será feito a seguir numa suposta luta entre Naruto e Sasuke.

Naruto
Estilo de luta: Ninjutsu
Elemento: Vento (Fuuton)
Informação adicional: Raposa de nove caudas (Kyuubi)
Estratégia principal: Usar clones
Fraqueza: Emocional (é notado que o ninja se leva muito para emoção. Em vários casos isso o ajudou nas lutas, porém, também pode ser usado como uma fraqueza)

Sasuke
Estilo de luta: Ninjutsu (ambos possuem o mesmo estilo de luta, então eles estarão equilibrados nesse tópico)
Elemento: Fogo (Katon); Trovão (Raiton) (Esse caso é bem interessante, pois, nos elementos do anime, o fogo tem vantagem sobre o vento enquanto o vento tem vantagem sobre o trovão, isto é, numa luta entre os dois, seria mais fácil se o Sasuke usar jutsus de fogo)
Informação adicional: Sharingan (por mais que o Sharingan copie bastantes jutsus, o Naruto utiliza muito o seu Chakra da Raposa, no qual o olho não pode copiar. No entanto, ele ainda pode usá-lo para uma maior mobilidade)
Estratégia principal: O uso do Sharingan (no caso de Sasuke, existe um aprimoramento desse poder, isto é, ele não só copia como faz uso de artifícios de defesa e também de ataque)
Fraqueza: O Sharingan (o exemplo do Sasuke é bem interessante, pois o poder que ele mais usa trás vantagens e desvantagens ao mesmo tempo, pois a utilização contínua trás alguns problemas de visão, trais como sangramentos)

Separar ajuda bastante. No exemplo acima, foi possível fazer uma satisfatória comparação para ver como funcionariam os benefícios e os malefícios de cada um.Feito isso, agora temos que encaixá-los num cenário e , para o exemplo, vamos usar o Vale do Fim, lugar que marcou o fim da saga clássica. No entanto, vamos acrescentar que está tendo uma chuva muito forte, com ventos fortes também. Então temos:

Vale do Fim
Local aberto. Forte chuva com ventos poderosos. Terreno com uma extensa cachoeira. Local não plano.

Analisando, vemos que a condição climática impede Sasuke de utilizar jutsus de Fogo, logo, ele terá que optar pela segunda opção, o trovão, porém, como já foi visto, trovão é fraco contra vento, que é o elemento de Naruto e, por causa do ambiente, Naruto ganhou uma vantagem. Sendo assim, Sasuke terá que arrumar formas alternativas de se igualar com ele e não perder a batalha, podendo usar a cachoeira como opção, visto que é uma ótima condutora de eletricidade.

Pronto, já foram encaixados os personagens no cenário.


4) Narração

Agora que temos pessoas e cenários, temos que introduzi-los numa narração. Vamos separar assim:

Motivo (Conflito) > Luta > Resultado

Comece revelando o que os trouxe ali, se foi uma briga amistosa ou um conflito sério (aproveite para descrever o cenário nessa parte). Com isso, é bom reproduzir um bom diálogo de introdução para a luta e, depois disso, que ela comece. Para esse início, veja um exemplo:

"Eles se entreolharam. O Vale do Fim estava carregado de lembranças, de uma luta que ficou no passado, mas ainda marcava o presente. A intensa tempestade fazia com que eles não se enxergassem muito bem, visto que estavam sobre uma distância considerável. Cada um estava sobre uma das estátuas, Naruto sobre a de Senju Hashirama e Sasuke sobre a de Uchiha Madara. A cachoeira em meio a eles quebrava o silêncio, até que Ssuke resolveu se pronunciar.
-Vamos resolver isso de uma vez por toda  o Uchiha, já com seu Sharingan preparado, mantinha a mesma voz fria de sempre - e lembre-se, a luta só terminará quando um de nós sucumbir.
-Eu sei -- Naruto respondeu rapidamente. Ele não queria deixar suas emoções o atrapalhar - mas você é o responsável por ter escolhido essa opção. Você sabe que poderia ter sido diferente.
-Que seja! - Após a exclamação, Sasuke sacou sua arma e avançou contra seu oponente."

Como foi visto acima, o ambiente foi descrito enquanto se mostrava o motivo de eles estarem ali e, após um breve diálogo, o combate teve início.

Agora que já foi fixada a atenção e a administração, a cena de luta pode se iniciar. É importante perceber que ambos os lados precisar estar bem ativos, isto é, se um ataca o outro precisa defender e tem que ser no mesmo instante. A narração precisa estar dinamizada e focada na luta entre os dois, existe alguns elementos que podem colaborar com isso.

Gerúndio: é conhecido como verbo terminado em "ndo". Ele expressa ação que está sendo feita naquele exato momento, facilitando a descrição de determinadas ações. Exemplo: "Naruto desviou do ataque surpresa, contra atacando em seguida.". Perceba que com o uso do gerúndio, deu para descrever a evasiva e o contra ataque, tudo de forma momentânea.

Narração em terceira pessoa: não é uma obrigação, porém, quando se usa esse tipo de narração, fica bem mais fácil relatar os acontecimentos, justamente porque o narrador não está participando daquilo. Esse estilo de narração ajuda ainda mais quando a luta possui três ou mais personagens.

Caso de luta coletiva: quando a cena exigir três ou mais personagens em uma luta, é muito importante colocá-los em ação o tempo inteiro, para que, um determinado personagem não fique parado por muito tempo. Quando foi uma batalha de times, a dica é sempre utilizar um como atacante e outro como suporte, pois ambos estarão em ação e não causará confusão ao leitor, coisa que ocorreria se todos fossem atacantes. Agora, se for uma luta com mais de três e for cada um por si, tente evitar que todos confrontem ao mesmo tempo e, mesmo que isso aconteça, ainda pense numa forma de separá-los, pois quanto mais gente lutar ao mesmo tempo, mais difícil fica de organizar a narração.


5) Conclusão

Com isso, ficou mais fácil de compreender o que constitui a criação de uma cena de luta. Por incrível que pareça, tudo é focado na organização em de da ação. Sua cena não precisa ser uma luta milenar que dura dez capítulos e nunca tem um fim. Para uma boa cena, basta ter essa organização e respeitar os limites estabelecidos por cada personagem e ambiente, isto é, não vamos fazer que os personagens destruam o mundo com suas batalhas nem que eles ganhem ou percam uma batalha injustamente.
Uma boa dica é acompanhar alguns animes, filmes, fanfics, livros, entre outros, que sigam o gênero. Dessa forma, é possível ter uma melhor visão desse tipo de cena na própria mente, pois você passa a tentar querer reproduzir o que você viu e acrescenta o seu estilo, criando tais combates com muito mais facilidade.



Isso foi tudo por esse post de como escrever cenas de luta. Espero ter ajudado com suas dúvidas e até a próxima.
Beijos da Ana.